CNP
Christo Nihil Praeponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®
Homilia Dominical
25 Dez 2015 - 25:23

O que é uma família?

Porque defendem a união entre o homem e a mulher, os cristãos são constantemente acusados de “engessarem” a família. Mas o que é verdadeiramente essa instituição? As acusações dos ideólogos de gênero procedem? Por que nem todos os agrupamentos humanos podem ser chamados de “família”?
00:00 / 00:00
Homilia Dominical - 25 Dez 2015 - 25:23

O que é uma família?

Porque defendem a união entre o homem e a mulher, os cristãos são constantemente acusados de “engessarem” a família. Mas o que é verdadeiramente essa instituição? As acusações dos ideólogos de gênero procedem? Por que nem todos os agrupamentos humanos podem ser chamados de “família”?
Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo são Lucas
(Lc 2, 22-40)

Concluídos os dias da sua purificação segundo a Lei de Moisés, levaram-no a Jerusalém para o apresentar ao Senhor, conforme o que está escrito na lei do Senhor: Todo primogênito do sexo masculino será consagrado ao Senhor (Ex 13,2); e para oferecerem o sacrifício prescrito pela lei do Senhor, um par de rolas ou dois pombinhos.

Ora, havia em Jerusalém um homem chamado Simão. Este homem, justo e piedoso, esperava a consolação de Israel, e o Espírito Santo estava nele. Fora-lhe revelado pelo Espírito Santo que não morreria sem primeiro ver o Cristo do Senhor. Impelido pelo Espírito Santo, foi ao templo. E tendo os pais apresentado o menino Jesus, para cumprirem a respeito dele os preceitos da lei, tomou-o em seus braços e louvou a Deus nestes termos:

"Agora, Senhor, deixai o vosso servo ir em paz, segundo a vossa palavra. Porque os meus olhos viram a vossa salvação que preparastes diante de todos os povos, como luz para iluminar as nações, e para a glória de vosso povo de Israel".

Seu pai e sua mãe estavam admirados das coisas que dele se diziam. Simão abençoou-os e disse a Maria, sua mãe: "Eis que este menino está destinado a ser uma causa de queda e de soerguimento para muitos homens em Israel, e a ser um sinal que provocará contradições, a fim de serem revelados os pensamentos de muitos corações. E uma espada traspassará a tua alma".

Havia também uma profetisa chamada Ana, filha de Fanuel, da tribo de Aser; era de idade avançada. Depois de ter vivido sete anos com seu marido desde a sua virgindade, ficara viúva, e agora com oitenta e quatro anos não se apartava do templo, servindo a Deus noite e dia em jejuns e orações. Chegando ela à mesma hora, louvava a Deus e falava de Jesus a todos aqueles que em Jerusalém esperavam a libertação.

Após terem observado tudo segundo a lei do Senhor, voltaram para a Galiléia, à sua cidade de Nazaré. O menino ia crescendo e se fortificava: estava cheio de sabedoria, e a graça de Deus repousava nele.

*

Os ideólogos de gênero acusam os cristãos de "engessarem" a família. Eles questionam por que, afinal, deveria haver uma única configuração familiar – formada por homem, mulher e filhos –, quando começam a surgir tantos "novos modelos" de família. Na crítica à atuação dos católicos e da "bancada evangélica" no Congresso Nacional, eles chegam a insinuar que "até Jesus ficaria de fora" do conceito tradicional de família: o fato de Ele ser filho adotivo de São José faria a Sagrada Família fugir do padrão familiar "convencionado" pelos cristãos.

A verdade, porém, é que a família não deve ser matéria de convenções – como se a posição de um grupo ou de movimento pudesse mudar a essência dessa instituição –, mas de uma observação atenta e honesta da realidade.

Quem quer que se detenha a examinar a natureza, por exemplo, é capaz de enxergar, em todo o reino animal, a existência de uma complementaridade dos sexos: da união entre um macho e uma fêmea, entre um homem e uma mulher, as espécies se reproduzem e geram descendência. A isso vem a acrescentar-se um cuidado natural pela própria prole, o qual pode manifestar-se seja nos desvelos com que uma cadela cria os seus filhotes, seja numa relação duradoura entre um casal de aves [1].

Essa base biológica está presente também na espécie humana e, embora não seja tudo, é um dado particularmente importante da família. O que a ideologia de gênero faz é justamente subverter esse componente natural, como se o próprio ser humano não passasse de uma "massinha de modelar". "O homem contesta a sua própria natureza; agora, é só espírito e vontade" [2].

Por outro lado, há quem, cegado por uma antropologia naturalista, só seja capaz de enxergar o componente sexual da família, sendo incapaz de perceber a alma imortal que só o ser humano possui. É essa realidade espiritual o que torna a família um fenômeno exclusivamente humano: nela, mais do que meramente procriar, existe a nobre missão de educar. Não se deve confundir essa educação, responsável por formar o espírito, com aquele cuidado natural dos animais pela vida física de seus filhotes. Só entre os seres humanos existe a transmissão de valores e o cultivo das virtudes. Os animais, não tendo alma, são incapazes de fazer a mesma coisa.

Essa face espiritual da família é nota característica da Igreja Católica. Verdadeiramente, ela dá vida aos seus filhos. Trata-se da vida divina, superior à vida biológica, infundida por Deus nas almas pelo sacramento do Batismo e pelo absolvição dos pecados na Penitência. Além disso, pela Eucaristia e pela pregação, a mesma Igreja alimenta e educa os seus filhos, fazendo-os crescer na graça de Deus. Nosso Senhor, quando fundou a Santa Igreja, quis que ela fosse realmente uma família. Assim Ele começou com os Seus discípulos, assumindo a paternidade espiritual deles; assim fizeram os santos, sendo pai espiritual de outros tantos, até os dias de hoje. Em grande medida, é por não serem como uma família que muitas paróquias e comunidades "fracassam" em sua missão de anunciar o Evangelho.

Quando as pessoas deixam de "ser família", de fato, elas descuidam dos espírito e as suas preocupações descem todas ao nível material: se um é contrariado, já procura o divórcio; se o outro é sepultado, os filhos já brigam por causa de dinheiro. É o "raciocínio de empresa" que substitui os vínculos espirituais que sempre mantiveram de pé as famílias.

Hoje, assim como em tempos antigos, o resgate da família humana passa pela Sagrada Família – por São José, que foi verdadeiramente chefe, guardião e guia de Jesus e Maria; por Nossa Senhora, que adornou o lar de Nazaré com as suas virtudes; e pelo menino Jesus, que em tudo era submisso aos Seus pais (cf. Lc 2, 51). Ponhamos no centro de nossas vidas e de nossas casas a pessoa do Verbo encarnado, para que sejamos pouco a pouco transformados n'Ele, por Ele próprio. Se só Deus pode salvar o homem, também só Ele pode dar um jeito à família.

Referências

  1. Cf. Suma Teológica, II-II, q. 154, a. 2.
  2. Papa Bento XVI, Discurso de Natal à Cúria Romana (21 de dezembro de 2012)

Download do Material
Texto do episódioDownload do áudio e textoComentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.