CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®
Homilia Dominical
20 Nov 2014 - 27:46

Jesus Cristo, Rei das nações

Em 1925, com a encíclica Quas Primas, o Papa Pio XI instituía a Festa de Cristo, Rei do Universo. O que o Santo Padre queria com este gesto? Em que sentido se diz que Jesus é "Rei"? Nesta pregação, Padre Paulo Ricardo explica em que consiste o reinado social de Nosso Senhor e como isto interfere diretamente nas realidades políticas e temporais de nossa época.
00:00 / 00:00
Homilia Dominical - 20 Nov 2014 - 27:46

Jesus Cristo, Rei das nações

Em 1925, com a encíclica Quas Primas, o Papa Pio XI instituía a Festa de Cristo, Rei do Universo. O que o Santo Padre queria com este gesto? Em que sentido se diz que Jesus é "Rei"? Nesta pregação, Padre Paulo Ricardo explica em que consiste o reinado social de Nosso Senhor e como isto interfere diretamente nas realidades políticas e temporais de nossa época.
Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo
Mateus (Mt 25, 31-46)

Neste Domingo – o último do ano litúrgico –, a Igreja celebra a Solenidade de Jesus Cristo, Rei do Universo. No Evangelho, Nosso Senhor se apresenta como o Rei e Juiz glorioso que virá no fim dos tempos, para fazer a divisão das ovelhas e dos cabritos, dos bons e dos maus, dizendo a uns: “Vinde, benditos de meu Pai! Recebei como herança o Reino que meu Pai vos preparou desde a criação do mundo!”; e a outros: “Afastai-vos de mim, malditos! Ide para o fogo eterno, preparado para o diabo e para os seus anjos”.

Mas, qual o sentido de celebrar uma festa dedicada a Cristo Rei? Foi o Papa Pio XI quem a instituiu, em 11 de dezembro de 1925, com a publicação da encíclica Quas Primas. Neste documento, o Santo Padre manifestava o desejo de divulgar “quanto possível o conhecimento da dignidade real de Nosso Salvador” [1] e opor “um remédio eficaz à peste que corrói a sociedade humana”, chamada laicismo, “com seus erros e atentados criminosos” [2]. Ao falar sobre o reinado de Cristo, Pio XI sublinhava que, embora esta realeza fosse “principalmente interna” e de “ordem espiritual”, seria um “erro grosseiro denegar a Cristo Homem a soberania sobre as coisas temporais todas, sejam quais forem” [3]. Ou seja, Cristo é rei não somente no Céu, mas também na Terra, tendo influência direta sobre os poderes deste mundo.

Em 1925, o mundo acabava de sair da Primeira Grande Guerra e assistia à ascensão de governos políticos fortemente contrários à Igreja. Foi nessa época que surgiram o nacional-socialismo na Alemanha, o fascismo na Itália, o socialismo na Rússia e no leste da Europa, sem falar do regime anticlerical de Plutarco Elías Calles, no México, que deu origem à Guerra dos Cristeros. Diante deste cenário, o Papa decide nadar contra a correnteza e lembrar aos reis do mundo o primado de Nosso Senhor.

Hoje, embora não haja tantos regimes totalitários declarados, os homens têm disfarçado a sua tirania: ao invés de usar armas, implantam a “ditadura do relativismo”, perseguindo os cristãos e condenando-os a guardarem a sua fé em uma gaveta, sem manifestá-la publicamente, sob a alegação de que “o Estado é laico”. Por isso, os ensinamentos de Pio XI na Quas Primas ainda são muito necessários para o tempo atual.

As lições dessa encíclica se resumem em três:

Primeiro, que Cristo deve reinar nas inteligências, nas vontades e nos corações dos homens [4].

Segundo, que “aos governos e à magistratura incumbe a obrigação, bem assim como aos particulares, de prestar culto público a Cristo e sujeitar-se às suas leis” [5]. Ou seja, Nosso Senhor é rei também dos líderes das nações. Embora o Estado seja laico – e exista realmente uma separação da Igreja e do Estado –, também os chefes políticos do mundo possuem consciência; e esta, uma vez formada adequadamente, é chamada a dar testemunho da lei de Deus inscrita no coração dos homens. É luminoso o exemplo de reis que – sendo cristãos e sabendo que “importa obedecer antes a Deus do que aos homens” [6] – não assinaram decretos contrários à sua consciência e à sua fé. Nisto está, de fato, o verdadeiro “poder político da Igreja”: sua influência consiste em evangelizar os corações. Só assim os destinos dos países poderão ser transformados.

Terceiro, que a Igreja tem os seus direitos. “Instituída por Cristo, que lhe deu a forma orgânica de sociedade perfeita, exige, em virtude deste direito, que dimana de sua origem divina e que ela não pode abdicar, a plena liberdade, a independência absoluta do poder civil. No desempenho de sua divina missão, de ensinar, reger e conduzir à eterna felicidade todos os membros do reino de Cristo, não pode, de modo algum, depender de vontade estranha” [7]. A separação entre Igreja e Estado lembra que os cristãos, embora devam submeter-se às autoridades legitimamente constituídas, são livres para desobedecer em matérias que contrariem a lei de Deus – lei que está acima de todos os soberanos da terra. Os mártires da época do Império Romano são um modelo luminoso dessa verdade, pois preferiram a morte a prestar culto a César. “Dai, pois, a César o que é de César, e a Deus o que é de Deus” [8]: os cristãos obedecem ao poder político, mas ele não é Deus. Por isso, existe a chamada “objeção de consciência”, que é cláusula pétrea na Constituição Federal brasileira [9]. Diante de presidentes, parlamentares, ministros e juízes que vêm à tona com leis e sentenças iníquas, que contrariam a própria lei natural, inscrita no coração dos homens, é preciso dizer “não” e repetir, com o Autor Sagrado: “Importa obedecer antes a Deus que aos homens”. 

Referências

  1. Quas Primas, 15
  2. Ibidem, 21
  3. Ibidem, 12-13
  4. Cf. Ibidem, 4
  5. Ibidem, 33
  6. At 5, 29
  7. Quas Primas, 32
  8. Mt 22, 21
  9. Cf. Constituição Federal, art. 5º, VI
Material para Download
Texto do episódioMaterial para downloadComentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.