CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®
Homilia Dominical
5 Fev 2015 - 26:48

O maior milagre de Cristo

Os milagres narrados no Evangelho realmente aconteceram. Mas, afinal, o que é um milagre? Por que, mesmo sabendo da dureza do coração humano, Jesus realizou tantos deles? Nesta pregação, Padre Paulo Ricardo propõe uma meditação sobre os milagres de Cristo e responde, a partir das lições dos santos, qual o maior prodígio realizado por Nosso Senhor.
00:00 / 00:00
Homilia Dominical - 5 Fev 2015 - 26:48

O maior milagre de Cristo

Os milagres narrados no Evangelho realmente aconteceram. Mas, afinal, o que é um milagre? Por que, mesmo sabendo da dureza do coração humano, Jesus realizou tantos deles? Nesta pregação, Padre Paulo Ricardo propõe uma meditação sobre os milagres de Cristo e responde, a partir das lições dos santos, qual o maior prodígio realizado por Nosso Senhor.
Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo Marcos
(Mc
1, 29-39)

No Evangelho deste Domingo, Nosso Senhor vai à casa de Simão e André, cura a sogra de São Pedro de uma febre e, à tarde, depois do pôr do sol, cura muitas pessoas de diversas doenças e expulsa muitos demônios. Tratam-se de alguns dos inúmeros milagres operados por Jesus.

Todos esses fatos relatados nos Evangelhos realmente aconteceram. Hoje, infeliz e desgraçadamente, certas teologias racionalistas tendem a reputar os milagres de Cristo como “mitos”. O protestante Rudolf Bultmann, por exemplo, falava da “demitologização” do Evangelho: a modernidade, tão acostumada a avanços científicos e tecnológicos, não poderia aceitar a linguagem e o conceito de mundo expressos nas Escrituras. Seria, pois, necessário filtrá-las, para que se adaptassem ao homem contemporâneo.

O fato, porém, é que a incredulidade em relação aos milagres sempre foi uma constante na história da humanidade. O ser humano – algumas gerações mais, outras menos – sempre teve dureza de coração e dificuldade para crer nestas coisas.

Para que, então, Jesus realizava milagres? Santo Tomás de Aquino, em sua Summa contra Gentiles, ensina o seguinte:

“Costuma-se chamar de milagres [miracula] as coisas que às vezes acontecem fora da ordem constante da natureza, pois ficamos admirados de um fato quando, vendo um efeito, desconhecemos a causa, e porque uma mesma causa é às vezes conhecida por uns e desconhecida por outros, acontece que, ao verem o mesmo efeito, uns ficam admirados e outros, não. Por exemplo: o astrônomo não se admira quando vê o eclipse do sol, porque conhece a sua causa, mas quem desconhece astronomia fica admirado, porque desconhece a causa. Assim, o eclipse é para este algo admirável, mas não o é para aquele. Por isso, é admirável aquilo que tem a sua causa simplesmente oculta.”

“E é isto que justamente quer dizer o termo milagre: o que por si mesmo é capaz de causar admiração a todos. Ora, a causa simplesmente oculta para todos os homens é Deus, pois, como acima foi provado, nenhum homem, no estado da vida presente, pode aprendê-lo pelo intelecto. Por isso devem ser ditos propriamente milagres os fatos acontecidos fora da ordem comum que se vê nas coisas [quae divinitus fiunt praeter ordinem communiter observatum in rebus].”

“Há diversos graus e ordens nestes milagres. Com efeito, no supremo grau dos milagres estão aqueles nos quais algo é feito por Deus e que a natureza jamais pode fazer, como por exemplo, estarem dois corpos ocupando o mesmo lugar; o sol retroceder ou parar; o mar dividir-se para possibilitar a passagem dos transeuntes. Nestes milagres, há ainda a se considerar uma ordem. Com efeito, quanto maiores são as coisas operadas por Deus e quanto mais remotas as capacidades da natureza, tanto maior é o milagre, como maior é o milagre de o sol retroceder do que o de dividirem-se as águas. No segundo grau dos milagres estão aqueles nos quais Deus faz algo que a natureza pode fazer, mas não por aquele modo. Assim, é obra natural que um animal viva, veja e ande; mas que, após a morte, viva; após a cegueira, veja, e após o coxear, ande – isto a natureza não pode fazer. Deus, porém, às vezes o faz milagrosamente. Deve-se ainda considerar que há nestes milagres uma graduação na medida em que o que é feito distancia-se da capacidade da natureza. O terceiro grau dos milagres consiste em Deus fazer o que é comumente feito por obra da natureza, sem, no entanto, os princípios da natureza atuarem, como, por exemplo, quando a virtude divina cura alguém de uma febre naturalmente curável, ou quando chove sem interferência das causas naturais da chuva.” [1]

Os milagres narrados no Evangelho deste Domingo podem ser identificados, então, de acordo com as observações de Santo Tomás, como de segundo e terceiro graus. De todos os prodígios realizados por Cristo, porém, o maior de todos é fazer que o ser humano – cheio de egoísmo, misérias e pecados – ame com amor sobrenatural. Este é um milagre de “supremo grau” – muito maior que ressuscitar um morto ou curar um paralítico –, pois dá ao homem a vida divina, fazendo-o chegar a uma caridade perfeita, pela qual ele ama mais a Deus que a si mesmo.

Foi o que experimentaram os mártires, quando preferiram entregar a sua vida a perder a graça divina. Se é natural que o ser humano ame a Deus com suas forças naturais – encontrando “as perfeições invisíveis de Deus (...) através de suas obras” [2] –, não é natural, porém, que ele ame ao Senhor acima de si próprio e de todas as coisas, como fizeram, por exemplo, o japonês São Paulo Miki e seus outros 25 companheiros mártires – cuja memória se celebrou no último dia 6 de fevereiro. O relato de seus martírios conta que uma criança, vendo-os serem crucificados e decapitados, se enchia de uma alegria sobrenatural e cantava de alegria por saber que, morrendo, eles podiam ver Jesus.

Então, é admirável que o cego de nascença seja curado em Siloé, mas muito mais admirável é que nós, cegos e incapazes de ver a verdade de Deus, enxerguemos; é admirável que Lázaro seja ressuscitado, depois de quatro dias morto, mas muito maior é que nós, em nosso egoísmo e pecado, sejamos elevados à vida divina; é maravilhoso alimentar com cinco pães uma multidão de cinco mil homens, porém mais maravilhoso ainda é que sejamos alimentados pelo próprio Deus na Eucaristia. Recorrendo ao Evangelho deste Domingo, também é admirável que Nosso Senhor cure os enfermos e expulse os demônios; muito maior, porém – e tão extraordinário quanto “o sol retroceder ou parar” ou “o mar dividir-se para possibilitar a passagem dos transeuntes” –, é que o homem seja elevado acima de sua própria natureza e ame a Deus divinamente.

Cristo opera todos os milagres narrados no Evangelho a fim de despertar o homem para o sobrenatural. Assim, quando multiplica os pães, Ele aponta para a Eucaristia; e, quando ressuscita Lázaro, aponta para a ressurreição espiritual que acontece em todo sacramento do Batismo e da Confissão. Sem negar a existência e a historicidade dos milagres de Nosso Senhor, é possível olhar os seus prodígios e portentos com os olhos dos santos: muito maior que a multiplicação dos pães e que a ressurreição de Lázaro é o milagre extraordinário da vida de Deus no coração do homem.

Por isso, neste Domingo, não percamos de vista a razão pela qual Jesus operava milagres. Ele o fazia não só para tornar credível a Sua pregação, mas também para levar os homens ao amor. De nada adiantam bens e saúde neste mundo, se estivermos mortos espiritualmente, sem poder amar e viver a vida divina.

Referências

  1. Summa contra Gentiles, III, CI
  2. Rm 1, 20

Material para Download
Texto do episódioMaterial para downloadComentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.