CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®

A parábola do semeador

No Evangelho de hoje, temos a oportunidade de ouvir uma vez mais a parábola do semeador. Nela, Cristo como que nos apresenta uma pequena receita para fazermos do nosso coração um terreno fértil e aberto à Palavra santa de Deus.

Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Marcos
(Mc
4, 1-20)

Naquele tempo, Jesus começou a ensinar de novo às margens do mar da Galileia. Uma multidão muito grande se reuniu em volta dele, de modo que Jesus entrou numa barca e se sentou, enquanto a multidão permanecia junto às margens, na praia.

Jesus ensinava-lhes muitas coisas em parábolas. E, em seu ensinamento, dizia-lhes: "Escutai! O semeador saiu a semear. Enquanto semeava, uma parte da semente caiu à beira do caminho; vieram os pássaros e a comeram. Outra parte caiu em terreno pedregoso, onde não havia muita terra; brotou logo, porque a terra não era profunda, mas, quando saiu o sol, ela foi queimada; e, como não tinha raiz, secou. Outra parte caiu no meio dos espinhos; os espinhos cresceram, a sufocaram, e ela não deu fruto.

Outra parte caiu em terra boa e deu fruto, que foi crescendo e aumentando, chegando a render trinta, sessenta e até cem por um". E Jesus dizia: "Quem tem ouvidos para ouvir, ouça". Quando ficou sozinho, os que estavam com ele, junto com os Doze, perguntaram sobre as parábolas. Jesus lhes disse: "A vós, foi dado o mistério do Reino de Deus; para os que estão fora, tudo acontece em parábolas, para que olhem mas não enxerguem, escutem mas não compreendam, para que não se convertam e não sejam perdoados".

E lhes disse: "Vós não compreendeis esta parábola? Então, como compreendereis todas as outras parábolas? O semeador semeia a Palavra. Os que estão na beira do caminho são aqueles nos quais a Palavra foi semeada; logo que a escutam, chega Satanás e tira a Palavra que neles foi semeada. Do mesmo modo, os que receberam a semente em terreno pedregoso, são aqueles que ouvem a Palavra e logo a recebem com alegria, mas não têm raiz em si mesmos, são inconstantes; quando chega uma tribulação ou perseguição, por causa da Palavra, logo desistem.

Outros recebem a semente entre os espinhos: são aqueles que ouvem a Palavra; mas quando surgem as preocupações do mundo, a ilusão da riqueza e todos os outros desejos, sufocam a Palavra, e ela não produz fruto. Por fim, aqueles que recebem a semente em terreno bom são os que ouvem a Palavra, a recebem e dão fruto; um dá trinta, outro sessenta e outro cem por um".

Ouvimos no Evangelho de hoje a conhecida parábola do semeador. Nela, Jesus nos identifica com o terreno em que a Palavra de Deus é semeada. O coração humano, de fato, se vê obrigado a reagir à Palavra santa do Senhor; ele não pode manter-se neutro, indiferente ao Evangelho de Cristo. E é aqui, neste contato pessoal com Jesus, que se podem aferir as qualidades do nosso "terreno". A primeira possibilidade aventada por Cristo é a de uma intervenção demoníaca: assim que a Palavra é semeada em certos corações, vêm as aves do céus — as "potestades do ar" de que fala São Paulo (cf. Ef 2, 2) — e levam consigo a semente recém caída no chão. Daí a necessidade de o nosso apostolado vir sempre acompanhado de uma verdadeira vida de oração; precisamos, pois, que os anjos do Senhor preparem a alma daqueles que, mais sujeitos ao poder do diabo, pretendemos chamar à fé em Cristo Jesus.

As outras duas possibilidades dizem respeito diretamente às nossas disposições interiores. Se, por um lado, pode o demônio impedir que a semente cresça, também nós, por outro, a podemos sufocar, impedindo-a de dar os frutos que Deus espera de nós. O "terreno pedregoso" refere-se às almas que pensam ser possível seguir um Cristo sem Cruz; são almas que desejam Jesus, mas não desejam renunciar a si mesmas e ao egoísmo que só a dor e o sofrimento podem extinguir. Pois a dinâmica do verdadeiro amor exige que cresçamos na caridade ao mesmo tempo em que diminuímos no orgulho. O "terreno espinhoso" representa os que querem ser cristãos e mundanos, querem pertencer a Deus e também ao príncipe deste mundo; trata-se de almas que, sob a aparência de um cristianismo piedoso e fiel às "obrigações" de domingo, rejeitam a radicalidade de vida do Evangelho: querem conciliar terços e pecados, missas e festanças, orações e vulgaridades.

Sejamos generosos com Nosso Senhor; tenhamos a santa audácia de cortar os vínculos e as preocupações que nos atam a este mundo de misérias e iniquidades. Tomemos, pois, nossas cruzes diárias, rejeitemos a mentalidade mundana e, com um coração todo aberto qual terra fértil, sigamos a Cristo Jesus. Que Deus faça de nossas almas um terreno sadio, que possa dar todos os frutos que Ele tão carinhosamente deseja colher.

Material para Download
Texto do episódioMaterial para downloadComentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.