CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®
Conteúdo exclusivo para alunos
Assine agora
Texto da aula
Aulas do curso
Texto da aula
Anjos e Demônios

A queda dos anjos

A história dos anjos é de glória, mas também de tragédia: de glória para os anjos bons, que, por humildade, aceitaram receber de Deus sua felicidade e esplendor; de tragédia para os anjos maus, que, por soberba, quiseram por si mesmos ser semelhantes ao Altíssimo.

imprimir

Inúmeros anjos, criados por Deus naturalmente bons, pecaram e foram condenados por toda a eternidade. Trata-se de uma verdade de fé, contida expressamente na Escritura e ensinada pelos Santos Padres [1]. O diabo, diz o Senhor no evangelho de São João, “não permaneceu na verdade, porque a verdade não está nele”; em outro lugar, no de São Lucas: “Eu via Satanás cair do céu como um raio” (Lc 10, 18); e o discípulo amado escreve: “O demônio peca desde o princípio” (1Jo 3, 8).

Antes de serem confirmados em graça, todos os anjos podiam pecar, ou seja, perder a graça e a santidade que receberam no início, até que, provada sua fidelidade e obediência ao Criador, fossem finalmente elevados à glória e à visão de Deus. Logo, os anjos não foram criados bem-aventurados [2], mas na condição de viadores, semelhante àquela em que nos encontramos na peregrinação deste mundo.

Nesse sentido, os anjos passaram por um duplo estado: um de provação, na qual tinham a virtude da fé teologal (com efeito, não viam a Deus face a face nem conheciam por evidência imediata os mistérios sobrenaturais que lhes foram revelados); e outro de termo ou chegada, no qual foram premiados os anjos bons,...

Conteúdo exclusivo para alunos
Aulas do curso
Texto da aula
Material para download
Comentários dos alunos