CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®
Conteúdo exclusivo para alunos
Assine agora
Texto da aula
Aulas do curso
Texto da aula
As Navegações Portuguesas

Portugal, um Estado cruzado

Fugindo dos erros crassos da historiografia atual, precisamos ter claro que sem compreender o espírito cruzado de Reconquista, é impossível entender o Reino de Portugal e as grandes navegações.

imprimir

Dois erros fatais no estudo de história

Na aula passada, dei uma espécie de justificativa do curso. Curso este que é uma espécie de relatório, de meditação que venho fazendo, há anos, para entender por que esse país pobre de recursos naturais, o “finis terrae” da Europa, com apenas um milhão de habitantes, conseguiu se lançar ao mar. 

À medida que prosseguia os estudos, percebi que para entender as navegações é preciso se livrar de dois vícios que tomaram conta da historiografia nos últimos séculos. O primeiro é o viés hegeliano de acreditar que a História é um ser autônomo, que caminha com as próprias pernas, como se os povos, tomados como entidades metafísicas, fossem sujeitos de certas ações. É uma História de matiz coletivista, uma História impessoal. 

Camões, em linguagem poética, diz: “Eu canto o peito ilustre lusitano, / a quem Netuno e Marte obedeceram”. Ora, esse peito ilustre lusitano é uma figura de linguagem, um adorno poético, para exaltar a virtude de Portugal. Mas Portugal não tem virtude, porque Portugal não é uma pessoa. Se houve virtude, é porque existiram, concretamente, homens e mulheres virtuosos. Mas também existiram homens...

Conteúdo exclusivo para alunos
Aulas do curso
Texto da aula
Material para download
Comentários dos alunos