CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®
Conteúdo exclusivo para alunos
Assine agora
Texto da aula
Aulas do curso
Texto da aula
Ensina-nos a orar

Não rezeis como os pagãos

“Quando orardes”, diz o Senhor, “não useis de muitas palavras, como fazem os pagãos. Eles pensam que serão ouvidos por força das muitas palavras” (Mt 6, 7). Se não são as palavras que contam, então o que é preciso para rezar bem?

21

O primeiro grau de oração é a oração vocal, que nos foi dada por Nosso Senhor Jesus Cristo na ocasião em que ensinou aos discípulos o pai-nosso: “Quando orardes, dizei” (Lc 11, 2). Porém, devemos compreender que essa forma de oração não consiste em proferir muitas palavras. O próprio Jesus nos advertiu quanto a isso: “Nas vossas orações, não multipliqueis as palavras, como fazem os pagãos que julgam que serão ouvidos à força de palavras” (Mt 6, 7).

Como mencionado na aula anterior, para realizar de forma eficaz a oração vocal, precisamos primeiramente nos colocar na presença de Deus. S. Teresa d’Ávila, no capítulo 22 do Caminho de perfeição, afirma que, ao menos por cortesia, é necessário saber com quem estamos falando. Quando temos essa advertência da presença divina, estamos unindo a oração vocal e a oração mental: “Se, falando, entendo perfeitamente e percebo que falo com Deus, concentrando-me mais nisso do que nas palavras que digo, estão juntas aqui a oração mental e a vocal” [1]. Tal é, portanto, a “arte” de uma boa oração vocal: concentrar-nos mais na presença de Deus do que nas palavras que são ditas.

No entanto, isso não quer dizer que não tenhamos que...

Conteúdo exclusivo para alunos
Aulas do curso
Texto da aula
Material para download
Comentários dos alunos