Filosofia da Linguagem

O mundo moderno vive sob o fogo cerrado da guerra cultural que tem como um dos principais objetivos a destruição dos valores judaico-cristãos que são a base da sociedade ocidental. Para conseguir esse intento todas as armas serão usadas, inclusive a linguagem que, ao ser encarada erroneamente como uma mera convenção humana, é hoje utilizada como meio de manipulação, com fins ideológicos.

Tal afirmação é de fácil comprovação: basta observar quantas palavras e expressões deixaram de ser utilizadas cotidianamente, em nome do "politicamente correto" ou da "igualdade"; é possível observar ainda palavras sendo esvaziadas de seu significado original e tomando um outro sentido para atender a esses mesmos fins ideológicos.

Este curso tem como objetivo resgatar o valor original da linguagem, não a reconhecendo apenas como um mero instrumento revolucionário, mas sim como algo querido e utilizado por Deus para comunicar-se com o homem. Mais que isso: a Palavra ou o Logos é o próprio Deus e permanece eternamente. Assim, vemo-nos colocados diante do mistério de Deus que Se comunica a Si mesmo por meio do dom da sua Palavra. Esta Palavra, que permanece eternamente, entrou no tempo. Deus pronunciou a sua Palavra eterna de modo humano; o seu Verbo fez-se carne. Esta é a boa nova. Este é o anúncio que atravessa os séculos, tendo chegado até os nossos dias. (Exortação Apostólica Verbum Domini)

Portanto, a linguagem, a Palavra, o Verbo de Deus é o próprio Jesus Cristo. Conhecer e aceitar essa possibilidade real de diálogo com Ele e, por conseguinte, com a Trindade é confirmar o que ensina o Catecismo da Igreja Católica quando diz que Deus criou o homem para fazê-lo participar de sua vida bem-aventurada.

Nesse sentido, quando o mundo conhecer a realidade da linguagem divina a guerra cultural estará terminada, pois, a Palavra de Deus impele-nos a mudar o nosso conceito de realismo: realista é quem reconhece o fundamento de tudo no Verbo de Deus. Isto revela-se particularmente necessário no nosso tempo, em que manifestam o seu caráter efêmero muitas coisas com as quais se contava para construir a vida e sobre as quais se era tentado a colocar a própria esperança. Mais cedo ou mais tarde, o ter, o prazer e o poder manifestam-se incapazes de realizar as aspirações mais profundas do coração do homem. De fato, para edificar a própria vida, ele tem necessidade de alicerces sólidos que permaneçam mesmo quando falham as certezas humanas (VD,10)

O curso focará, então, na linguagem sob a ótica cristã, em contraposição à linha de pensamento dominante na cultura moderna que propõe uma linguagem capaz de criar a realidade apesar de Deus ou até mesmo contra Ele. Pretende-se analisar a realidade da linguagem enquanto elo entre o projeto divino e a vida humana e não como mera ferramenta livremente manipulável segundo regras exclusivamente humanas.