CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®
Conteúdo exclusivo para alunos
Assine agora
Texto da aula
Aulas do curso
Texto da aula
Catequese para Adultos

As dores de Cristo durante a Paixão

Ao longo de sua Paixão, Jesus Cristo suportou todo gênero de sofrimentos humanos, e isso no mais alto grau que é possível nesta vida.

Suas dores, não só de Corpo, mas também de Alma, são um testemunho eloquente do quanto Ele nos amou, tomando sobre si os nossos pecados e oferecendo-se em holocausto de amor pela remissão de nossas culpas e destruindo o quirógrafo de nossa eterna condenação.

imprimir

Jesus Cristo é a plenitude da revelação divina e, por isso mesmo, o nosso único Salvador. De fato, como nos recorda a constituição dogmática Dei Verbum, do Concílio Vaticano II, Deus quis revelar seu desígnio salvífico aos homens a fim de os tornar participantes dos bens divinos, ou seja, a fim de os salvar da escravidão do pecado e introduzi-los na alegria de sua própria vida íntima.

Deus revela-se salvando-nos e salva-nos revelando-se a si mesmo. Por causa disso, não podemos considerar a Jesus Cristo como simples modelo de vida moral nem como mero transmissor de um conjunto de ensinamentos. Embora o Senhor seja, sim, modelo de todas as virtudes e portador de uma doutrina divina, Ele é, antes de tudo, um acontecimento: seus gestos e palavras, seus atos e pronunciamentos são, em si mesmos, revelações de Deus e ações verdadeiramente salvíficas.

Ora, de todas as ações de Cristo nenhuma é mais reveladora e, portanto, mais salvífica do que o mistério de sua Páscoa, quer dizer, de sua passagem pelo vale da sombra da morte e sua entrada triunfante na glória da Ressurreição, como solenemente recordamos todos os anos na liturgia do Sagrado Tríduo da Paixão.

Após...

Conteúdo exclusivo para alunos
Aulas do curso
Texto da aula
Material para download
Comentários dos alunos