CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®
Conteúdo exclusivo para alunos
Assine agora
Texto da aula
Aulas do curso
Texto da aula
Catequese para Adultos

Cristo: sacerdote e vítima

Jesus Cristo, Deus encarnado, é ao mesmo tempo sacerdote e vítima.

Em sua divina pessoa, o céu e a terra se unem e por suas mãos, dirigidas ao Pai celeste, é oferecido o sacrifício da nossa reconciliação: morrendo na cruz por amor a Deus e pela nossa salvação, Jesus Cristo nos alcançou não só o perdão dos pecados, mas também a graça de nos associarmos ao seu holocausto de amor àquele que o enviou.

87

Jesus Cristo, como vimos até agora, é uma pessoa divina, em tudo igual ao Pai, em poder, glória e majestade. Disso dá testemunho a conhecida profissão de S. Pedro, narrada em Mt 16, 16 e reiterada séculos depois, de forma solene e dogmática, no Concílio de Calcedônia: “Tu és o Cristo, o Filho de Deus vivo”. Jesus é não só o Cristo, o Messias ungido, mas também uma pessoa divina: concretamente, o Filho eterno do Pai.

Logo após a resposta de Pedro, em que se destaca sua origem divina, Jesus inicia com os Apóstolos um importante diálogo em estreita dependência de sua condição, há pouco revelada, de Verbo feito carne. Uma vez reconhecido como o Filho de Deus, o Senhor passa a explicar-lhes detalhadamente sua identidade messiânica: “Desde então”, ou seja, desde a confissão de Pedro, Ele “começou a manifestar a seus discípulos que precisava ir a Jerusalém e sofrer muito” (Mt 16, 21).

Em outras palavras, Jesus nos mostra aqui que o núcleo de sua missão — o ponto central de sua identidade de Filho encarnado — é ser vítima de propiciação, é ser sacrifício de amor. Por isso, podemos dizer com propriedade que Ele é, ao mesmo tempo, sacerdote e vítima.

Quanto ao...

Conteúdo exclusivo para alunos
Aulas do curso
Texto da aula
Material para download
Comentários dos alunos