CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®

Participe do nosso aniversário!

  • O aniversário é nosso, mas o presente é seu. Confira as ofertas:
  • Inscreva-se com 40% de desconto no plano anual;
  • Oportunidade de assinatura vitalícia. Um único pagamento para estudar conosco para sempre.
Assine agora
Preencha seu e-mail
Use seis ou mais caracteres com uma combinação de letras e números
Erro ao criar a conta. Por favor, tente novamente.
Verifique seus dados e tente novamente.
Use seis ou mais caracteres com uma combinação de letras e números
Verifique seus dados e tente novamente.
Boas-vindas!
Desejamos um ótimo aprendizado.
Conteúdo exclusivo para alunos
Assistir à aula
Preencha seu e-mail
Use seis ou mais caracteres com uma combinação de letras e números
Erro ao criar a conta. Por favor, tente novamente.
Verifique seus dados e tente novamente.
Use seis ou mais caracteres com uma combinação de letras e números
Verifique seus dados e tente novamente.
Boas-vindas!
Desejamos um ótimo aprendizado.
Texto da aula
Aulas do curso
Texto da aula
Credo Apostólico

Maria, Mãe de Cristo, Mãe da Igreja

Dizer que Maria é a mãe da Igreja significa que ela gerou o Corpo de Cristo. Assim, todos aqueles que, de alguma maneira, foram inseridos no Corpo de Cristo, foram gerados por Ela, até mesmo os protestantes, cujos batismos tenham sido válidos, foram incorporados à Igreja de Cristo por meio Dela. Mesmo que não aceitem isso, mesmo que protestem.

53

O parágrafo sexto apresenta uma problemática já em seu título. Ele diz: "Maria - Mãe de Cristo, Mãe da Igreja". Alguns teólogos apresentam Maria como sendo uma "cristã", ou seja, uma discípula de Jesus. Para eles, ela é tão-somente um membro da Igreja, muito embora seja cheia de virtudes, santa, como só ela é santa, não passa de um membro e, como tal, deve ser estudada, dentro da chamada perspectiva eclesiológica, ou seja, como mais um dos capítulos do estudo da Igreja.

A abordagem eclesiológica tende a normalizar Maria, ou seja, a evidenciar nela qualidades humanas comuns, de maneira ecumênica, o que possibilita que outras confissões a aceitem com mais facilidade. É o caso dos luteranos, que têm Maria como uma mulher exemplar, membro do Corpo de Cristo.

O Concílio Vaticano II, num primeiro momento, adotou abordagem eclesiológica preferindo elaborar um capítulo sobre Maria e inseri-lo na Lumem Gentium. Trata-se do Capítulo 8 daquela encíclica.

Contudo, existe uma outra abordagem: a cristológica, quando se olha Maria a partir de Jesus. Estudando a ligação existente entre Maria e Jesus, percebe-se que ela só pode ter um papel muito especial, pois gerou...

Conteúdo exclusivo para alunos
Aulas do curso
Texto da aula
Material para download
Comentários dos alunos